Prótese Dentaria mal adaptada pode causar boqueira

O uso de próteses dentárias mal-aptadas podem causar a chamada comissurite. Trata-se de um processo inflamatório que acomete os cantos da boca (comissura labial) a popular ”boqueira”, além de perleche ou queilite angular. É caracterizada pelo discreto inchaço, ardência, descamação e fissuras no local. Pode ser uni ou bilateral e ter contaminação fúngica ou bacteriana associada.

No tratamento, quase sempre os sinais e sintomas são rapidamente aliviados pelo uso de cremes locais que tratam a inflamação, além de combaterem fungos ou bactérias que acabam por contaminar a lesão. Entretanto nos casos crônicos ou recidivantes é de fundamental importância a eliminação dos fatores desencadeantes.

A prevenção

O profissional de odontologia e prótese dentaria podem ajudar, eliminando agentes irritantes como cremes dentais muito abrasivos, melhorar a higiene bucal, principalmente dos aparelhos ortodônticos ou próteses dentárias, adequando os aparelhos.

Por Renato Ozorio – Dental ABS

Dentição mais natural, próteses livres de metal

Colocar porcelana nos dentes em consonância com a tecnologia é a mais recente novidade da odontologia estética. Segundo a Associação Dental Americana (ASA) as novas facetas já permitem um sorriso perfeito em vítimas de separações entre os dentes, dentes manchados, com formato ruim, dentes apinhados – características que constituem erros da natureza ou resultados de lesões, e são relativamente fáceis de corrigir, afinal, muitas vezes basta uma faceta para que tudo fique bem, de forma minimamente invasiva.

O implandontista e especialista em periodontia, o cirurgião dentista Sílvio Pardo, da Pardo Odontologia, de RioPreto, confirma que as últimas novidades do mercado de fato são os sistemas de próteses metal-free (livres de metal) e que graças a elas, hoje é possível oferecer dentes idênticos aos originais. O dentista lembra que além das facetas, a porcelana permite a possibilidade de uma prótese altamente resistente aliada a uma perfeita estética, por conta da biocompatibilidade ao meio bucal.

Isto sem falar que o material é resistente e estético, porque não deixa aqueles indesejáveis alos escuros em volta da gengiva do paciente. “Biocompatível, por se tratar de material utilizado em próteses ortopédicas e que foram desenvolvidos para a boca”, explica.

Sílvio Pardo aletra que quando mal indicada a porcelana pode até criar problemas de fraturas na prótese e/ou nos dentes de suporte. Porém, quando o dentista tem curso de capacitação para trabalhar com porcelana, faz um bom planejamento, tem um bom técnico de prótese dental nos mesmos padrões de treinamentos e equipamentos, a prótese dental de porcelana proporciona verdadeiras reconstruções e transformações do sorriso e da oclusão (mordida) de forma geral, em homens e mulheres.

Em comparação com processos mais antigos, Sílvio diz que pode-se trabalhar com porcelanas sem metal, melhorando a cor da porcelana, eliminando a coloração escura próxima à gengiva, menor desgaste dos dentes para adaptar a prótese, possibilidade de cimentar as próteses com cimentos resinosos, mais opções nas escalas de cores, diminuição do custo final para o usuário.

Porcelana não mancha ou sofre deterioração

Sílvio Pardo conta que a porcelana tem estabilidade de cor e forma. Não sofre pigmentações com café, vinho tinto, nicotina, chá, batom, catchup e outras substâncias que contêm corantes. É considerada, dentro da classificação de materiais, como eterna, ou seja, dura mais de 500 anos em condições normais de uso.

Uso do Forno para metalo cerâmica

Fornos para metalo cerâmica e cerâmica prensada aplicam a força de injeção conforme a necessidades do processo. O excesso de força é a maior causa de rompimento dos anéis. Como a injeção se dá de forma suave, sem turbulências, o preenchimento é homogêneo copiando com fidelidade os menores detalhes.

Com as informações de Diário da Região

Pesquisa mostra que mais de 70% dos protéticos não acreditam que possa haver infecção nos laboratórios

A Biossegurança é de interesse de todo protético ou profissional odontológico, certo? Nem sempre, alias de acordo com uma pesquisa feira pela Universidade do Vale do Paraíba – UNIVAP feita em 30 laboratórios de prótese das cidades de São José dos Campos e Jacareí,  70,8% dos protéticos não acreditavam na possibilidade de infecção cruzada entre laboratórios de prótese e consultórios odontológicos.

As substâncias utilizadas para limpeza e desinfecção das bancadas de trabalho são utilizadas sem nenhum conhecimento da eficácia dessas substâncias. A partir desses dados, observou-se a necessidade de alertar esses profissionais para o risco de ocorrência de infecção cruzada e a obrigatoriedade da aplicação das normas de biossegurança.

A infecção cruzada pode atingir dentistas, auxiliares, pacientes e protéticos, sendo alvo de contaminação todos os que estão envolvidos no atendimento clínico ou laboratorial. Esses profissionais devem estar atentos às medidas de biossegurança, considerando a infecção cruzada como um risco constante.

Entre os produtos que não podem faltar no laboratório de Prótese são:

- Acionador de Torneira: A lavagem adequada das mãos constitui um importante método de prevenção de infecções nos serviços de saúde, especialmente nos dias de hoje, em que os microrganismos estão se tornando mais resistentes;

- Ultrassom: Indicada para homogeneização de barbotina;

- Aspirador de Bancada: Evita doenças respiratórias;

 

Nesta sexta tem DFL Day na Dental ABS

Nesta sexta feira será realizado em nossa loja, que fica na Rua Ibirajá, 141, Jabaquara – São Paulo – SP, o DFL Day. Trata-se de uma parceria entre a Dental ABS e a DFL.

Na ocasião, os clientes que comparecerem a loja e comprarem produtos da DFL, inclusive que estarão em promoção especial no dia, poderão estourar uma bola premiada, para ganhar novos produtos da marca.

Nossa loja dispõe de mais de 10 mil itens, que podem ser comprados em até 10 vezes sem juros.

Dental ABS