Índice de cárie entre os Brasileiros ainda é grande, mesmo com maior conscientização

Cárie pode ser um problema de fácil tratamento, mas ainda é considerado uma epidemia negligenciada no mundo. Estudos apontam que um terço da população nunca havia feito tratamento dentário e que 20% já tinha perdido todos os dentes.

Curta página da Dental ABS no Facebook e concorra a prêmios

No Brasil existem politicas que tentam reverter este quadro, como a Brasil Sorridente, com o objetivo de oferecer saúde bucal de qualidade à população. Ao mesmo tempo, uma iniciativa global, chamada Aliança para um Futuro Livre de Cárie, chegou ao Brasil em janeiro. Esta acredita que a cárie é uma epidemia negligenciada no mundo.

De acordo com declarações do presidente da entidade, Marcelo Bönecker em entrevista ao portal Terra, a Aliança leva informação à população por meio de dentistas que promovem palestras, cursos e conversam com os pacientes no próprio consultório. “Grande parte das pessoas está mais consciente sobre a gravidade da cárie e que é uma doença que pode ser prevenida”, avalia.

Para explicar essa linha de pensamento, Marcelo Bönecker dá o exemplo dos bebês, que já nascem com saúde bucal, pois têm a biodiversidade oral equilibrada, sendo preciso apenas mantê-la.  “A prevenção aumentou porque a odontologia entendeu que todos nascem com saúde bucal, fica mais fácil mantê-la, trabalhar a parte educativa com os pacientes”, diz.

Ainda que a população esteja mais consciente sobre cárie, o índice de lesões ainda é grande em nosso pais. Na opinião de Marcelo Bönecker, isso acontece porque, mesmo tendo as informações, algumas pessoas não as colocam em prática. “Ocorre o mesmo que vemos com o cigarro, todos sabem o quanto faz mal, mas muitos ainda se recusam a parar de fumar”, compara.

Por Dental ABS

Comente usando o Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>